Condenamos a invasão da Ucrânia por Putin e apelamos à sociedade civil a exigir a paz!

1385 assinaturas

Sign if you agree

Condenamos a invasão da Ucrânia por Putin e apelamos à sociedade civil a exigir a paz!
Quero receber atualizações sobre as campanhas do DiEM25.

Ao assinar concordas que podemos armazenar os dados acima para efeitos desta petição. Não receberás uma newsletter a menos que peças para a receber. Para mais informações, por lê a nossa política de Privacidade.

>> Condenamos a invasão da Ucrânia por Putin e apelamos à sociedade civil a exigir a paz!

Condenamos veementemente a invasão da Ucrânia por Putin e continuamos a apelar a um cessar-fogo imediato, à retirada das tropas da Federação Russa e à solidariedade para com os defensores da soberania da Ucrânia. Esta guerra brutal apenas beneficia os belicistas e os defensores da segurança militarizada - como se viu com o  súbito aumento do apoio à NATO na Finlândia e um aumento significativo do orçamento militar da República Federal da Alemanha. 

No entanto, já estamos em guerra - mesmo que vivamos em "paz". Uma guerra contínua travada contra o público. Contra os 99%. Contra as pessoas comuns que são agora forragem de canhão para as potências que o são. E não é apenas a humanidade, mas a própria vida - o planeta reduzido a um mero recurso para construir impérios de fantasia. A desigualdade e as alterações climáticas continuam a causar estragos entre a população - mas o 1% "que está a fazer a guerra" está a ganhar. 

Enquanto as inundações, a neve e o fogo se misturam, o champanhe continua a fluir à medida que as ordens de armas rugem. Esta indústria de dois triliões de dólares americanos não está satisfeita com os seus ganhos perante a morte e os impostos - tem "diretorados interligados com grandes empresas de comunicação social" que impulsionam ainda mais uma agenda de belicismo. 

As guerras são assim fabricadas - "nascidas do colapso das sociedades civis, perpetuadas pelo medo, ganância e paranóia, e são geridas por gangsters, que se erguem do fundo das suas próprias sociedades e aterrorizam todos, incluindo aqueles que pretendem proteger". 

Uma abordagem reformista já não é viável - e como sempre aconteceu… o próprio povo tem de se mobilizar e aceitar o apelo para acabar com a defesa da guerra!

Exigimos por isso o seguinte:

  • Os movimentos progressistas devem ter em conta o complexo militar-industrial nas questões pelas quais lutam - e mobilizar os seus membros para se empenharem activamente contra a militarização

  • A sociedade civil deve organizar-se proactivamente no sentido da paz através, entre outros:

  • Uma campanha de encerramento de bases militares estrangeiras e expulsão de tropas estrangeiras de todas as nações - regresso aos seus entes queridos!

  • Debater-nos  pelo desinvestimento de fundos públicos e privados na indústria de armamento - sem lucros com sangue! 

  • Atacar empresas de fabrico de armas, fornecedores de logística, companhias de navegação e assim por diante - ¡No pasarán!

  • Tornar a indústria de armamento, os seus lobistas e apoiantes visíveis para o público - que não se escondem na sombra!

  • Apelar ao fim da participação em alianças militares em todo o mundo - estas organizações supranacionais não estão sujeitas a controlo democrático e apenas beneficiam os belicistas. Nenhuma segurança através da NATO/CSTO/CSDP!

  • Insistir na eliminação das armas de destruição maciça! 

  • Fazer progressos nas alternativas centradas na paz e insistir na gestão de conflitos sem violência, criando uma cultura de paz. Segurança comum sem derramamento de sangue! 

  • Maximizar o apelo ao fim do discurso do ódio em todas as suas formas, bem como formas de punição colectiva - incluindo amplas sanções - que prejudiquem o público.  

  • Os nossos representantes eleitos devem considerar conscientemente a lealdade à humanidade e começar a fazê-lo, entre outras medidas:

  • Centrar a não-violência como parte da política pública e introduzir legislação para inverter as despesas militares - enquanto transferimos recursos públicos para sectores que precisamos realmente de alcançar - por exemplo - transportes públicos gratuitos, cuidados de saúde gratuitos e universais e produção de energia renovável local

  • Urge a assinatura e ratificação de todos os instrumentos de direito internacional que promovem os direitos universais e uma maior desmilitarização e eliminação das armas de destruição maciça

  • Acabar com a política de amplas sanções que - como a história tem demonstrado - devastam o público e violam os seus direitos humanos. O povo não deve ser punido pelos actos dos seus chamados líderes! 

 

Assina a petição