Libertem os europeus com baixos rendimentos do peso das rendas (Petição)

729 assinaturas

Assina a petição

Libertem os europeus com baixos rendimentos do peso das rendas
Quero receber atualizações sobre as campanhas do DiEM25.

Ao assinar concordas que podemos armazenar os dados acima para efeitos desta petição. Não receberás uma newsletter a menos que peças para a receber. Para mais informações, por lê a nossa política de Privacidade_

>> Libertem os europeus com baixos rendimentos do peso das rendas

Ao Parlamento Europeu e à Comissão

Antes da crise do COVID19, 11.3% dos europeus sofriam sob o peso dos custos excessivos das rendas. Dentro da União Europeia e por todo o mundo, este custo é especialmente elevado para os inquilinos de baixos rendimentos, em cujo caso mais de 40% do seu rendimento disponível é gasto na sua renda mensal. Para além disso, 50 milhões de famílias estavam em situação de pobreza energética em 2018, deixando-as expostas às alterações climáticas. A crise do COVID19 forçou os governos a impor medidas restritivas de quarentena que virtualmente paralisaram a economia. Enquanto a alguns trabalhadores foi permitido continuar a sua actividade profissional a partir de casa, muitos sectores viram a sua actividade ser completamente encerrada ou altamente reduzida. A perda de emprego atinge mais frequentemente pessoas pobres com baixos níveis de educação, que são aquelas que já sofriam com o peso das rendas. Entretanto, as temperaturas recorde registadas por todo o mundo no ano de 2020 relembram-nos que a crise climática não parou durante o confinamento. Na verdade, a pandemia é só uma das crises globais futuras que serão o resultado da degradação do clima.

A crise económica pós-coronavirus ameaça reforçar a pressão orçamental das rendas (sobrecarga) e eventualmente desencadear despejos em massa, catapultando os números da pobreza e dos sem-abrigo para máximos históricos. Além disso, a pressão sobre a dívida pública pode prejudicar os esforços para adaptar a Europa para a crise climática em curso.

 

Mitigar a crise do COVID19:

1.   Cancelar todas as rendas em dívida incorridas pelas famílias e por pequenas empresas detidas por inquilinos.

2.   Implementar caso-a-caso subsídios de renda para famílias/pequenas empresas afectadas pela redução de rendimentos devido às medidas de confinamento; esta medida seria gradualmente suprimida à medida que os rendimentos atinjam os níveis pré-COVID.  

3.   Criar um fundo de apoio de emergência para pequenos senhorios (até duas propriedades) para compensar os efeitos da redução de renda (2). 

 

Garantir habitação sustentável para todos os europeus: 

1. Criar um fundo europeu para a aquisição de habitação pública, com especial foco em casas desocupadas (a taxa média de casas vagas na Europa é de 18%). Este fundo devia ser acessível aos estados, regiões e municípios para satisfazer o Direito Humano a habitação adequada para todos os residentes na UE. O fundo deveria ser suficientemente grande para que de facto possa garantir que a habitação é garantida pelas autoridades públicas em último recurso.

2. Criar um fundo europeu para a remodelação sustentável de todas as habitações na UE. Isto tornará os residentes da UE mais resilientes  frente a crises futuras. Este fundo deveria ser suficientemente grande para garantir que estas obras públicas em larga escala sejam financiadas por autoridades públicas e não pelas famílias.

 

Resiliência económica para crises futuras:

1. Implementar um Dividendo Básico Universal europeu para melhorar a resiliência das famílias e das pequenas empresas frente a crises futuras e criar uma ferramenta permanente frente às sobrecargas de renda.

2. Consagrar o direito a habitação decente e sustentável e um conjunto de direitos dos inquilinos de toda a UE nos tratados europeus.

 

Estas medidas permitiriam atingir três objectivos principais:

1) impedir a privação de direitos sociais e económicos devida às repercussões económicas do pós-coronavirus

2) criar laços ‘federais’ entre os europeus e a UE

3) estabelecer as bases para um sistema de segurança social pan-europeu

 

Como o relator especial Philip Alston mencionou, a ‘narrativa triunfalista predominante pré-pandemia de que a pobreza extrema está próxima da erradicação’ é injustificada pelos factos – e a crise do COVID19 quase certamente fará com que os níveis existentes de pobreza e de sem-abrigos subam.

 

Em vez de exacerbar ainda mais as desigualdades, os planos de recuperação do COVID19 deverão preencher as lacunas entre os mais afortunados e aqueles que já estão endividados e desprevenidos frente a crises futuras. O peso da pandemia foi largamente colocado sobre os ombros de indivíduos a quem foi pedido que se colocassem em quarentena e trabalhassem a partir de casa ou que pusessem as suas vidas em risco como trabalhadores essenciais. Às medidas impostas pelos governos que causaram dificuldades às vidas dos trabalhadores europeus deviam seguir-se políticas holísticas e restaurativas.

 

Só uma resposta a larga escala, sem hesitações nem frugalismo nacionalista, pode salvar milhões de cair na pobreza mais profunda, assim como impedir a exacerbação dos efeitos do COVID19 e o disparo das dívidas soberanas!

Assina a petição